Tiragem cinza metalizada,

$135 $

A teoria da relatividade
Manuscrito em alemão
Grande formato (25 x 35 cm)

Mais detalhes

A teoria da relatividade, o manuscrito de Albert Einstein

Esta edição apresenta a primeira reprodução totalmente restaurada de Die Grundlage der Allgemeinen Relativitätstheorie (Os fundamentos da teoria da relatividade geral), de Albert Einstein. O manuscrito é acompanhado por um prefácio assinado pelo professor Hanoch Gutfreund, diretor dos arquivos Albert Einstein da Universidade Hebraica de Jerusalém, em três idiomas: inglês, alemão e francês.

Um documento que revolucionaria a física moderna

Em 25 de novembro de 1915, Albert Einstein submeteu à academia prussiana real de Ciências um manuscrito intitulado Die Grundlage der Allgemeinen Relativitätstheorie. Publicada em 16 de março de 1916 na revista de referência Annalen der Physik, esta apresentação de 46 páginas constituía o resultado de dez anos de pesquisas destinadas a generalizar a teoria da relatividade restrita formulada por ele em 1905. Tratava-se, acima de tudo, da formulação definitiva de uma teoria que revolucionaria a física moderna.

le manuscrit de le relativité générale d'Albert Einstein

Nesse artigo, Einstein primeiro introduz a equação de campo gravitacional, a pedra angular de sua teoria, e faz três previsões principais: a curvatura dos raios de luz no campo gravitacional do Sol, o desvio para o vermelho gravitacional e uma explicação do avanço do periélio de Mercúrio. Em 1919, apenas três anos após a publicação do artigo, a observação de um eclipse solar total confirmou a previsão do efeito do campo gravitacional sobre os raios de luz, impulsionando Einstein à categoria de ícone global.

Em 2016, cientistas de todo o mundo anunciaram a primeira observação direta de ondas gravitacionais provenientes da colisão de dois buracos negros, validando mais uma vez, e muito mais cedo do que esperavam, as equações apresentadas no artigo de 1916.

lo manuscrito de A teoria da relatividade - equação 53

“A Carta Magna da física moderna”: um prefácio do professor Hanoch Gutfreund
(inglês-francês-alemão)

O professor Hanoch Gutfreund, diretor dos arquivos Albert Einstein da Universidade Hebraica de Jerusalém, retraça, em um prefácio traduzido para o francês, a fabulosa odisseia intelectual da qual este manuscrito constitui a culminação, bem como suas consequências em nossa compreensão do universo, das tecnologias modernas, etc. Segue um trecho:

“O artigo de Einstein de 1916 previu que a luz que chega até nós vinda de estrelas distantes é desviada pelo campo gravitacional do Sol. Quando essa previsão foi confirmada por observações astronômicas três anos depois, em novembro de 1919, Einstein foi catapultado ao posto de estrela mundial, um status que duraria até o fim de sua vida. Outra das previsões desse artigo é que o tempo passa mais devagar na Terra do que no espaço, onde a gravidade é muito menor. Se não soubéssemos desse fenômeno e não o levássemos em consideração ao medir o tempo que um sinal de satélite leva para chegar até nós, não teríamos uma tecnologia GPS tão precisa.”

equação por Albert Einstein

Um manuscrito milagroso

É quase um milagre que este documento não tenha sido perdido ou destruído: Einstein costumava se livrar de seus papéis depois que eles apareciam em livro ou artigo. Essa é a razão pela qual não foi encontrado nenhum dos manuscritos de 1905 – o ano de divulgação de sua teoria da relatividade restrita, considerado seu ano de êxitos. Mesmo que haja uma versão manuscrita do artigo "Sobre a eletrodinâmica dos corpos em movimento" (1905), trata-se, na verdade, de uma cópia que ele fez em 1944 para ser leiloada, a fim de participar, à sua maneira, do esforço de guerra.

Felizmente, o manuscrito que apresentamos hoje foi poupado, e é isso que o torna um documento tão excepcional. Einstein o ofereceu pela primeira vez a um amigo e colega, Erwin Finlay-Freundlich, mas reclamou-o de volta quando o relacionamento entre os dois homens se deteriorou, em 1921. Ele, então, pediu ao filósofo da ciência Paul Oppenheim que o vendesse para angariar fundos para a Universidade Hebraica de Jerusalém, que acabava de ser fundada. Mas Oppenheim, por ser amigo de Erwin Finlay-Freundlich e de Albert Einstein, recusou tal pedido. Na verdade, foi graças a Elsa, a esposa de Einstein, que o manuscrito foi finalmente oferecido à Universidade Hebraica de Jerusalém em troca de 2.000 marcos para apoiar a pesquisa do Prof. Feundlich, além de 400 marcos para as instituições de caridade da sra. Einstein.

equação 47, fac-símile por Albert Einstein

A primeira reprodução restaurada do manuscrito de Einstein

O manuscrito original está guardado nos arquivos da Universidade de Jerusalém desde sua inauguração, em 1º de abril de 1925. É considerado um dos tesouros mais preciosos de seu acervo e só foi mostrado ao público uma vez, em 2011, atraindo multidões de visitantes ávidos. Esta é a primeira vez que esse documento de interesse científico e patrimonial global é reproduzido em formato impresso e numa versão restaurada por uma equipe de designers gráficos especializados. Assim, o resultado é o mais próximo possível da versão original do manuscrito, permitindo ao leitor folhear as páginas como se a tinta tivesse acabado de secar no papel.

livro de Albert Einstein

Decifrar o manuscrito?

O texto, escrito em alemão, e as equações que contém são intencionalmente sofisticados: a apresentação era destinada à comunidade científica. Mas, quer saibamos ou não como decifrar essas formulações matemáticas complexas, um olhar mais atento revelará pistas preciosas sobre a escrita de Einstein: as muitas rasuras e inserções que pontilham o manuscrito testemunham a extrema preocupação do físico com a perfeição científica. Ele insistiu em modificar, até o último momento, a formulação de sua teoria revolucionária. Este manuscrito possui algumas diferenças em relação à versão publicada na revista Annalen der Physik (disponível online). As linhas verticais ao redor das equações, feitas a lápis preto ou azul, foram desenhadas aos cuidados do compositor do texto.

Avis Clients

Nadia

Magnifique ouvrage qui a ravi celui à qui je l'ai offert. Une traduction française en fin d'ouvrage ne serait pas inutile. Bravo pour votre travail.

Charles ALUNNI

I am the happy owner of the number 243 of this wonderful reproduction of Einstein's text. It was my Christmas' gift made by my son. I must say that it is a PERFECT, aesthetic and very well done work. It's simply a masterpiece, a treasure of the world of edition…