Tiragem azul meia-noite,

1.000 exemplares numerados,

$180 $
A peste
Edição em francês
Grande formato (25 x 35 cm)

Mais detalhes

 

La Peste - titre Manuscrit d'Albert Camus

A peste, o manuscrito de Albert Camus

Uma obra importante e visionária, um eco marcante das crises do mundo contemporâneo, que voltou a ser um best-seller na Europa em 2020.

Por ocasião do sexagésimo aniversário da morte de Albert Camus, a SP Edições publicou o manuscrito do primeiro grande sucesso popular do escritor, um sucesso que o surpreendeu, lançado em 1947: A peste.

A peste - caixa e livro

Um romance escrito em cinco anos

A palavra “peste” aparece pela primeira vez em outubro de 1941 em seus Cadernos, mas Albert Camus já há algum tempo pensava em um grande afresco que inauguraria o segundo grande ciclo de sua obra depois do Absurdo: o da Revolta. Alguns de seus personagens foram esboçados no final da década de 1930; o trabalho preparatório do escritor foi intenso e maravilhosamente documentado. Do tratado sobre A defesa da Europa contra a peste de 1897 por Adrien Proust – pai de Marcel – às Memórias sobre a peste na Argélia de Adrien Berbrugger, passando por Uma epidemia de peste na Mesopotâmia, em 1867, pelo Dr. Tholozan, e por A peste: epidemiologia, bacteriologia, profilaxia pelo Dr. Bourges, suas leituras são numerosas, científicas e literárias: Daniel Defoe e seu Diário do ano da peste, Chateaubriand e suas Memórias de além-túmulo evocando as devastações da peste em Marselha, etc.

A peste - o manuscrito

A questão do título também se impõe. Inicialmente, ele pensou em Os isolados; Peste ou aventura (romance); A peste libertadora; Os prisioneiros...

No entanto, quando começa a escrever a primeira versão do romance, cujo manuscrito aqui apresentamos, entre agosto e dezembro de 1942 – as correções visíveis entre as páginas datam provavelmente de janeiro de 1943 –, os temas que decidiu abordar – a luta contra o mal a importância do coletivo e da solidariedade, a separação –, bem como a alegoria da resistência ao nazismo, são tão cruciais que ele não hesitará em desconstruir o texto e reescrever várias versões sucessivas. Serão necessários cerca de cinco longos anos e muita perseverança na tarefa. As versões se sucedem, ao longo das páginas cobertas com sua letra apertada e datilogramas que lhe permitirão aperfeiçoar seu texto e sua visão. Até a conclusão.

Assim, ele escreveu a Lucette Maeurer: "Fiz bons progressos em A peste, mas acho que terei de começar tudo de novo"; depois, em julho de 1946, em seus Cadernos: “Peste. Em toda a minha vida, nunca tive essa sensação de fracasso. Nem tenho certeza se chegarei até o fim."

O manuscrito de A peste, um texto muito diferente de sua versão publicada

Escrito em tinta azul, corrigido em preto ou a lápis, o documento nasceu sob a pena de Albert Camus quando ele se encontrava sozinho, separado, contra a sua vontade, de sua esposa Francine, na "casa senhorial" de Panelier, em Haute-Loire. Sua esposa havia voltado para a Argélia. Camus estava no campo por motivos de saúde. Desde sua aposentadoria, ele acompanhava as trágicas notícias políticas e diplomáticas. O início da invasão alemã na zona sul, em novembro, seria um marco em sua escrita: “Como ratos!”, ele anota em seus Cadernos. O inimigo, seja humano ou bacilo, cerca sua futura vítima.

A peste, Albert Camus

As variações entre este manuscrito, com 105 páginas numeradas por Camus, e a versão final publicada são numerosas, na forma e no conteúdo. Haveria, portanto, mais de 1500 alterações entre os dois – mudanças de palavras ou grupos de palavras, de estruturas, etc. Personagens desconhecidas (como o professor de letras Philippe Stephan) ou cenas consideradas mais tarde muito mordentes aparecem aqui; a dimensão individual da narrativa ainda não deu lugar à coletiva; e é um Albert Camus de grande exigência consigo mesmo que transparece através das páginas... Ler e decifrar o manuscrito (primeira etapa essencial na gestação literária de A peste) são um precioso instrumento para compreender a elaboração do romance de Albert Camus.

Albert Camus, um autor contemporâneo

Não há dúvida de que as crises que o mundo vive atualmente, nos planos histórico, sanitário e geopolítico, estimulam uma releitura dos clássicos e, em particular, de A peste, que Camus concebeu como um panfleto, um convite à revolta e também à reflexão.

Claro, sabemos que a peste tem sua magnanimidade, que abre os olhos, obriga a pensar. É, por isso, como todos os males deste mundo e como o próprio mundo.
Albert Camus - Carnets II, 1942-1951

Fac-símile A peste

O romance, composto de cinco partes (quatro no manuscrito), é uma espécie de crônica de uma pequena cidade da Argélia – Oran –, contaminada pela peste de abril de 194X. O Dr. Bernard Rieux é quem primeiro descobre um rato morto nas escadas de seu prédio. Este é apenas o começo: outros roedores lotam as ruas da cidade, uma febre misteriosa e fatal infecta os habitantes e a cidade é gradualmente tomada pelo pânico. Quando a doença é identificada, as autoridades tentam se organizar a fim de limitar a propagação e tratar os enfermos, enquanto esperam uma vacina vinda de Paris... A seguir, fecham-se as portas de Oran, que passa a estar isolada do resto do mundo. O número de mortos define o ritmo dos dias atrozes de homens e mulheres presos entre as muralhas da cidade. O estado de sítio é declarado. O doutor Castel tenta desenvolver um remédio...

Alegoria da resistência europeia contra o nazismo de ontem, e os totalitarismos ideológicos e estatais de hoje; ação solidária versus individualismo frenético; necessidade do despertar e da ação cidadã; medo, isolamento, separação e confinamento... Há muitos paralelos.

A peste, um sucesso inesperado

A publicação do romance, em 1947, foi um sucesso imediato junto ao público e à crítica. Traduzido para uma dezena de idiomas, ele ganhou, além disso, o Prêmio da Crítica. “A peste chegou a 96.000 [vendas]. Fez mais vítimas do que eu esperava”, escreveu Camus em uma carta no mesmo ano. O romance será adaptado para o cinema em 1992, e para o teatro em 2011-2012.

Presenteado por Albert Camus a seus amigos Michel e Janine Gallimard em agosto de 1944, conforme atesta a dedicatória rabiscada na parte inferior da primeira página ("Com a lembrança de seu velho amigo AC"), o manuscrito entrou em seguida para a coleção do Coronel Daniel Sickles, bibliófilo apaixonado; depois, para a do departamento de manuscritos da Biblioteca Nacional da França, em 1983.

A peste - livro de Albert Camus