Tiragem verde imperial,

1.000 exemplares numerados,

$220 $
Edição em inglês
Grande formato (25 x 35 cm)

Mais detalhes

 

Mrs. Dalloway, o manuscrito de Virginia Woolf

Mrs Dalloway - le livre manuscrit et l'étui
The hours - título escrito à mão
 

Há quase cem anos, de 23 de junho de 1923 a 8 de outubro de 1924, Virginia Woolf escreveu, em três cadernos, o manuscrito daquele que se tornaria um de seus romances mais famosos, Mrs. Dalloway. Publicado em 1925, ele originalmente trazia outro título: The Hours [As horas]. Mas com o passar das horas, e conforme se viram as páginas, é o outro título que se impõe. E, com ele, sua heroína quase centenária, Clarissa Dalloway.

Este manuscrito, inédito, oferece ao leitor um mergulho excepcional no coração do laboratório de escrita de Virginia Woolf, por meio, entre outros, das variações da tinta roxa que ela privilegia para seus manuscritos. Ele é acompanhado por dois textos ade Helen Wussow, especialista em Virginia Woolf, e de Michael Cunningham, autor do romance As horas, inspirado em Mrs. Dalloway.

o manuscrito de Mrs Dalloway - primeira página do primeiro caderno

O primeiro e único manuscrito completo de Mrs. Dalloway

Este livro apresenta a primeira e única versão manuscrita completa de Mrs. Dalloway, com todas as suas correções, inserções e notas. Em particular, ele revela a hesitação da romancista entre os dois títulos possíveis – As horas e Mrs. Dalloway, o último acabando por se impor no terceiro caderno –, e também um incipit diferente daquele que conhecemos bem hoje. É apenas no segundo caderno que a autora consolida o famoso "Mrs. Dalloway disse que ela mesma iria comprar as flores...". Com efeito, ela retoma certas passagens de um caderno a outro.

Citação manuscrita - Mrs dalloway said she would buy the flowers herself

Esta edição também revela as margens que a própria Woolf desenhou a lápis ao longo de todas as páginas dos cadernos, nas quais também fazia inserções, anotava datas e até os cálculos do número de palavras. Ela escrevia principalmente com tinta rosa e, mais raramente, em preto ou mesmo azul. No início do segundo caderno, no alto de uma página, pode-se observar esta nota muito pessoal: "Ocorreu-me a deliciosa ideia de que vou escrever tudo o que tiver vontade de escrever".

Mrs Dalloway por Virginia Woolf

De “As horas” a Mrs. Dalloway

A personagem de Mrs. Dalloway aparece sob a pena de Virginia Woolf em 1915 – dez anos antes da publicação de Mrs. Dalloway –, em um primeiro romance intitulado The Voyage Out [A viagem]. Mas a personagem desempenha um papel bastante secundário, e a história não tem nenhuma semelhança real com a de Mrs. Dalloway. Durante o verão de 1922, Woolf desenvolve a personagem em um conto chamado “Mrs. Dalloway em Bond Street”, que começa com as palavras "Mrs. Dalloway disse que ela mesma iria comprar as luvas". Em outubro de 1922, ela anota em seu diário que planeja escrever um romance sobre Mrs. Dalloway. Nessa versão, a heroína deve se suicidar. Mas, nos cadernos, um novo personagem aparece – Septimus Smith –, um veterano da Primeira Guerra Mundial que se mata em seu lugar.

Woolf deu início ao primeiro caderno em 27 de junho de 1923 e, em 15 de outubro do mesmo ano, escreve em seu diário que estava na página 100. No mesmo dia, ela confessa que tem dúvidas sobre a personagem de Mrs. Dalloway, que considera "muito rígida, muito fulgurante, muito chamativa", mas também observa que precisou de "um ano de tentativas e erros para descobrir o que chama de seu processo de escavação, que permite contar o passado por meio de fragmentos, quando achar necessário”. Pouco menos de um ano depois, em setembro de 1924, quando estava prestes a terminar seu romance, quando finalmente chegara à cena da festa, ela escreveu que se tratava de "um de seus melhores finais".

Caixa e livro - o manuscrito de Mrs Dalloway por Virginia woolf

Prefácios de Michael Cunningham & Helen Wussow (em inglês)

"Mrs. Dalloway (originalmente intitulado As horas) se tornaria, sem dúvida, o primeiro grande romance de Virginia Woolf." Michael Cunningham é um escritor e roteirista americano. Em 1998, escreveu um romance baseado na vida de Virginia Woolf e inspirado em Mrs. Dalloway que chamou de As horas, em referência ao título original do romance. As horas lhe valeu o Prêmio Pulitzer de Ficção e foi adaptado para o cinema por Stephen Daldry em 2002./p>

"Estes três cadernos intitulados 'As horas' formam o pano de fundo do monumento da literatura que é Mrs. Dalloway."

Helen Wussow é reitora da New School em Nova York e especialista em Virginia Woolf. Ela publicou uma transcrição de "As horas" intitulada Virginia Woolf "The Hours": The British Museum Manuscript of Mrs. Dalloway (Nova York: Pace UP, 1996).

 

"It took me a year’s groping to discover what I call my tunnelling process, by which I tell the past by instalments, as I have need of it. This is my prime discovery so far"

signature de Virginia Woolf

Avis Clients

Storm S

This perfectly constructed copy of the manuscript of Mrs. Dalloway (The Hours) is stunning and perfect. You can see the time and skill that was put into to reproducing such a copy. The pages smell wonderful and have a distinct feel to them. Very high quality!

Simon

This is such a beautiful book. I've just ordered my copy. I am very excited.